sábado, 13 de setembro de 2014

Crash: Peugeot CRZ Cup - Magny-Cours

A prova aconteceu no fim de semana passado durante o Peugeot CRZ Cup, disputado no circuito de Magny-Cours.
E não foi uma boa idéia do piloto Pierre-Etienne atacar a zebra alta da curva Nurburgring, onde seu carro saltou, rodou e atravessou a pista, escapando de forma milagrosa de um bocado de carros que desviaram. Não teve a mesma sorte o piloto do carro #4 Pierre Sancinema, que pegou em cheio frontalmente.
Sancinema foi levado ao centro médico, onde passou por um check-up.

Foto 392: Laboratório

(Foto: Getty Images)
Após mais de um ano onde imagens, vídeos e textos percorreram o mundo sobre a sua criação, tivemos nas ruas de Beijing a largada da Fórmula-E. Foi um bom início da categoria destinada a carros elétricos com uma série de boas disputas, que resultaram em toques e também no acidente espetacular entre Nicolas Prost e Nick Heidfeild que duelavam bravamente pela liderança. No final, a vitória ficou de presente para Lucas Di Grassi.
Mas na verdade o texto não é apenas para falar da prova, e sim para destacar a idéia da categoria que é desenvolver ainda mais o conceito do carro elétrico para o futuro automotivo e também, porque não dizer, automobilismo de competição.
Entendo perfeitamente a maioria das pessoas olharem torto para esta categoria pelo simples fato dela ser de carros elétricos, afinal de contas fomos criados assistindo corridas com carros movidos à motor de combustão e com barulhos ensurdecedores. Comparo essa situação também quando o automóvel foi criado, e as pessoas que estavam inteiramente acostumadas com cavalos e carruagens terem visto aquilo com certo desdém. Tanto que um jornal - acredito que tenha sido francês - ter garantido que o automóvel jamais substituiria os cavalos. Bem, não só apenas o substituíram como também deram um bom descanso aos cavalos com o passar do tempo e belas carruagens foram virando peças de museus. Ah, os pobres cavalos devem ter agradecido a criação do automóvel...
Voltando aos dias atuais, acredito que o carro elétrico não irá substituir para já os carros de combustão no automobilismo, mas sim trabalhar em conjunto como já vem sendo feito há algum tempo no Mundial de Endurance e agora na Fórmula-1 com seus sistemas Híbridos. Mas se caso algum dia, viemos a enfrentar algo parecido como foi nos anos 70, na famosa Crise do Petróleo, não estranhe se alguém não hesitar em por carros 100% elétricos numa competição de alto nível.
Apesar de parecer estranho você ver uma corrida onde os pilotos precisam trocar de carro porque a bateria tem duração para apenas trinta minutos - a corrida tem 45 ao todo -, é de se esperar que com o passar tempo eles solucionem este probleminha e coloquem baterias cada vez mais duráveis em corridas e os pilotos não precisem mais pular de um carro para o outro durante o certame. O barulho, que mais parece uma furadeira, ainda é o que deixa o fã do automobilismo mais descontente, mas o que me chama mais atenção por ser algo bizarro, é o uso do Tweeter para que o piloto preferido de cada pessoa ganhe um booster durante a competição caso tenha mais menções.
Apesar de todas as controvérsias em torno dessa categoria, acredito que ela fará bem o seu papel que é desenvolver a tecnologia para a indústria automobilística. Afinal de contas, há anos que os estudos sobre os carros elétricos estão em andamento e agora, em pleno século XXI, onde filmes retratavam que esta seria uma época dominada por carros voadores - vejam bem -, os carros movidos a eletricidade começam a ganhar o seu espaço e certamente ganhará os seus entusiastas.
Para os demais, que torceram o nariz para esta categoria, eu os lembro que a grande contribuição do esporte à motor é exatamente essa: desenvolver a tecnologia para o uso da industria automobilística.
Foi assim lá no primórdios do carro à vapor, está sendo assim com o carro elétrico, e sempre será com qualquer outra tecnologia que for ser apresentada daqui algum tempó.
E o mundo não pára.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Vídeo: O retorno de Montezemolo, 1991

Numa altura em que assunto de hoje é a confirmação do boato da saída de Luca de Montezemolo do comando da Ferrari após quase 23 anos e que foi confirmado pelo mesmo, eis uma reportagem feita em 1991 quando foi confirmado o retorno do homem responsável pelo grande sucesso da "Rossa" nos anos 70 e voltaria para Ferrari como presidente.
A gestão de Montezemolo durante este período de duas décadas foi positiva. Assim como na década de 70, pegou a equipe totalmente desorganizada e a transformou em vencedora principalmente após a contratação do jovem Niki Lauda. Nos anos 90, repetiu o feito de duas décadas atrás ao trazer para o time Jean Todt - que havia feito um trabalho primoroso pela Peugeot ao vencer quatro mundiais de Rally e o Rally Paris-Dakar e mais duas conquistas nas 24 Horas de Le Mans - e mais tarde trazer a trinca Michael Schumacher, Ross Brawn e Rory Byrne que ajudou a elevar a Benetton ao patamar das grandes na F1. E os frutos disso foram muito bem colhidos na era dourada que a equipe teve nos anos 2000. Mas os últimos anos tem sido penosos para equipe e como em qualquer junção que tenha sido boa por um bom tempo, um hora o desgaste acabe aparecendo. Talvez tenha sido o melhor para ambos os lados.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Crash: Radical European Masters - Spa Francorchamps

Aquela velha história: se escapar na Eau Rouge, independentemente se seja por erro humano ou problema mecânico, as consequências tendem a ser das piores. E não foi diferente neste acidente que aconteceu durante a quinta etapa do Radical European Masters, quando o eixo traseiro esquerdo do Radical de Marcello Marateotto quebrou em plena subida da Eau Rouge.
Apesar do violento acidente, o piloto italiano foi levado ao hospital de Verviers onde foi liberado no domingo.
Aqui fica os links do site do Radical European Masters e do canal da categoria no Youtube.


domingo, 7 de setembro de 2014

GP da Itália: Comportados


Depois daquele entrevero envolvendo os dois postulantes ao título em Spa, esperava-se um algo a mais para com a disputa caseira da Mercedes. Mas como tinha dito no texto de ontem, Monza é uma pista pró Lewis exatamente pela característica veloz do traçado italiano. Por outro lado, os dois erros - ou seria um problema - de Rosberg facilitaram o trabalho de Hamilton. Porém, acredito, que a ultrapassagem do inglês fosse possível mais para frente, perto do fim do GP, já que ele estava tirando a diferença nos décimos.
Eles nos privaram de um bom duelo hoje em Monza, e ficará apenas a dúvida de como seria o comportamento de ambos frente a essa situação. E também da Mercedes, se iria intervir neste hipotético duelo.
Sobre a corrida
Não foi um GP interessante com relação a disputa da liderança, mas ao menos as lutas que tivemos da quarta posição para trás, ajudou a manter a atenção na corrida.
Destaques para a grande recuperação de Bottas e Ricciardo, que abriram caminho no pelotão com decisão e sem hesitar. Apenas Bottas é que teve trabalho com Magnussen, com este engrossando um pouco a disputa a ponto de se tocarem levemente na freada da primeira chicane, o que rendeu ao piloto da Mclaren um stop & go de cinco segundos. Para Ricciardo, que a exemplo de Bottas, havia largado muito mal, fez uma parte do GP bem apagada, mas que ressurgiu feito um raio ao subir de 11º para quinto nas últimas quinze voltas e com direito a uma ultrapassagem memorável sobre Vettel na freada para a chicane Roggia.
Ainda pelos lados da Red Bull, Vettel fez uma boa apresentação em Monza, mas novamente, assim como em Spa, percebi uma pequena queda seu rendimento.
A Mclaren esteve bem. Talvez a melhor corrida da equipe num todo, com seus dois pilotos disputando as posições constantemente. Magnussen, mais uma vez, mostrou boa performance frente a Button, mas confesso que o seu modo de defender a sua posição é demasiada agressiva. Isso pode causar um tremendo acidente dependendo, claro, de quem esteja no duelo.
A Williams confirmou a sua força e não fosse a péssima largada de Bottas, teríamos tido uma boa diputa pelo pódio com Massa. Este último, enfim, deu uma pausa no seus azares e pilotou tranquilamente para garantir um pódio que não vinha desde o GP da Espanha de 2013.
A Ferrari fez o que dela se esperava: nada. Seria impossível lutar contra carros mais potentes frente ao seu déficit de potência, numa pista que exige muito do motor. Alonso ainda mostrou algum serviço antes de sua parada de box. Mas veio abandonar por problemas no câmbio. Ficou para Raikkonen a primazia de garantir alguns pontos para a Rossa. Foi uma das piores apresentações da equipe em Monza nos últimos anos.
Daqui quinze dias teremos o GP de Cingapura, naquele traçado insosso de Marina Bay. Mas ao menos ela nos trará o interesse que é a batalha entre Rosberg e Hamilton. E os dois andam muito naquela pista.

sábado, 6 de setembro de 2014

Foto 391: A esquadra da BRM em Monza, 1971

O quarteto de Louis Stanley se aprontando para ir para a pista de Monza, para o GP da Itália de 1971. Abrindo os trabalhos, no BRM p160 #19 Howden Ganley e na fila, esperando a vez, Peter Gethin #18, Jo Siffert #20 e Helmut Marko #21.
Marko abandonou na volta 12 por problemas no motor; Jo Siffert terminou em nono, com duas voltas de desvantagem; Ganley fechou em quinto e Peter Gethin, na histórica batalha contra Peterson, Cevert, Hailwood e o próprio Ganley, acabou por vencer a sua única corrida na F1, naquela que foi a menor diferença da história da categoria numa chegada.

GP da Itália - Classificação - 13ª Etapa

Nenhuma surpresa com relação a obtenção da pole e primeira fila por parte da Mercedes, mas a única coisa que é de se destacar foi a diferença de Hamilton para Rosberg: na primeira tentativa, quatro décimos melhor e quando Nico tentou melhorar, baixou apenas um décimo. Contando que ambos tem carros iguais, fico bastante surpreso com a ótima volta alcançada por Lewis, mas isso é compreensível: a pista de Monza é um circuito que deixa o piloto inglês a vontade para mostrar do que é capaz. Afinal de contas, ele é o piloto mais veloz do grid há tempos.
A Williams confirmou bem o que se esperava dela ao tomar a segunda fila para os seus dois carros. Bottas e Massa estiveram muito bem, mas sem ameaçar a Mercedes em nenhum momento. A briga pelo último lugar do pódio será deles, pelo jeito.
Foi um bom trabalho da Mclaren nesta classificação ao colocar o seus carros na terceira fila, com Magnussen em quinto e Button sexto. Foi uma ótima surpresa e numa dessa, caso as Williams vacilem, poderão pensar num pódio.
Para o restante, Alonso, Vettel, Ricciardo e Perez, terão um trabalho extra para avançar no grid e vão depender bastante de uma boa estratégia para tentar algo de bom amanhã.

O que esperar da corrida
A vitória ficará para um dos prateados, e no meu modo de ver, devido aos últimos acontecimentos, Hamilton vai querer trucidar Rosberg. Será um duelo sensacional.
Para o restante, ficará as "migalhas" e nessa vejo que a Williams, com Bottas, deverá ficar com a terceira posição.

Grid de largada para o Grande Prêmio da Itália - 13ª Etapa



Pos
Piloto
Carro
Tempo
Dif
1
Lewis Hamilton
Mercedes
1m24.109s
-
2
Nico Rosberg
Mercedes
1m24.383s
0.274s
3
Valtteri Bottas
Williams/Mercedes
1m24.697s
0.588s
4
Felipe Massa
Williams/Mercedes
1m24.865s
0.756s
5
Kevin Magnussen
McLaren/Mercedes
1m25.314s
1.205s
6
Jenson Button
McLaren/Mercedes
1m25.379s
1.270s
7
Fernando Alonso
Ferrari
1m25.430s
1.321s
8
Sebastian Vettel
Red Bull/Renault
1m25.436s
1.327s
9
Daniel Ricciardo
Red Bull/Renault
1m25.709s
1.600s
10
Sergio Perez
Force India/Mercedes
1m25.944s
1.835s
11
Kimi Raikkonen
Ferrari
1m26.110s
-
12
Jean-Eric Vergne
Toro Rosso/Renault
1m26.157s
-
13
Nico Hulkenberg
Force India/Mercedes
1m26.279s
-
14
Adrian Sutil
Sauber/Ferrari
1m26.588s
-
15
Esteban Gutierrez
Sauber/Ferrari
1m26.692s
-
16
Pastor Maldonado
Lotus/Renault
1m27.520s
-
17
Romain Grosjean
Lotus/Renault
1m27.632s
-
18
Kamui Kobayashi
Caterham/Renault
1m27.671s
-
19
Jules Bianchi
Marussia/Ferrari
1m27.738s
-
20
Max Chilton
Marussia/Ferrari
1m28.247s
-
21
Daniil Kvyat*
Toro Rosso/Renault
1m26.070s
-
22
Marcus Ericsson
Caterham/Renault
1m28.562s
-


 *Daniil Kvyat foi punido com a perda de dez posições por troca de motor

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Vídeo: GP da Itália, 1967

Foi uma matéria feita pelos japas da Honda e que na época acabaram por ver a equipe de fábrica vencer o GP da Itália com John Surtees, chegando míseros dois décimos à frente de Jack Brabham.
Mas claro que a estrela do dia acabaria por ser Jim Clark com a sua apresentação de gala em Monza, no que foi um dos melhores desempenhos de um piloto na história da F1. Senão, a maior.

GP da Itália - Treinos Livres - 13ª Etapa

Nico Rosberg: “Parece que somos rápidos em uma volta, mas no long-run, os outros foram muito rápidos. Não me senti 100% confiante no carro, então não posso ficar feliz com hoje e tenho muito trabalho para fazer estar noite com os rapazes.
É realmente ótimo estar de volta a uma pista tão tradicional como Monza, com toda sua história. Estar aqui agora com esta rápida Flecha de Prata é muito especial para mim”

Lewis Hamilton: “Eu vou tentar entender o que Nico aprendeu na sessão dele e vou tentar aprender através daquela telemetria. Temos um estilo de pilotagem parecido. Há algumas diferenças, mas, em geral, é similar. Haverá pontos em que ele encontrou tempo e, em termos de acerto, o que eu não pude ganhar nesta sessão.
É sempre difícil, mas estou tranquilo quanto a isso porque não é a primeira vez que estive nessa situação, então eu me sinto capaz de lidar com isso. Os caras fizeram um bom trabalho para colocar o carro na pista. Eu me senti muito bem depois da primeira sessão. Fiz uma pequena mudança, saí, não tive muitas voltas, mas o carro estava bem acertado. Esperançosamente vamos ter a chance de trabalhar em mais algumas coisas amanhã”

Kimi Raikkonen: “Foi um dia muito agitado, mas positivo. Aproveitamos ao máximo cada minuto disponível nas duas sessões, tentando gerenciar tudo o que tínhamos no nosso programa.
Pela manhã, concentramo-nos em avaliar diferentes configurações, buscando o melhor nível de downforce. Então, à tarde, optamos por uma solução intermediária que pareceu produzir os melhores resultados nos dois compostos
A diferença entre os pneus médios e os pneus duros é mais ou menos o que esperávamos. Os mais macios se comportam bem, mas, em termos de dirigibilidade, não achei que os duros estavam ruins também”

Fernando Alonso: “No geral, estou feliz com o trabalho que fizemos no setup e nos pneus, especialmente, com o que fiz com bastante combustível. Perto do fim, nós estávamos preocupados se tínhamos um problema, mas, para eliminar qualquer dúvida, saímos para mais uma volta e tudo voltou ao normal”

Sebastian Vettel: “Eu me senti um pouco mais no comando do carro hoje.
A pista estava bem escorregadia. Neste ano, os carros têm pouca aderência e temos muito pouco downforce em Monza. Foi um bom dia para nós, não tivemos nenhum problema e fomos capazes de dar muitas voltas e testar algumas coisas. É importante chegar à sexta-feira à noite com tudo no lugar para poder melhorar para o resto do fim de semana.
Deve ter uma parada no domingo, mas veremos. Eu acho que alguns tiveram dificuldade para fazê-los trabalhar. Não há muita diferença entre os médios e os duros aqui. Acho que amanhã deve ser melhor, pois deve estar mais quente e a pista vai estar mais emborrachada”

Felipe Massa: “Acho que tudo funcionou muito bem, então foi um bom dia para a gente. Ainda tem algumas coisas para trabalhar para amanhã. Mas acho que foi um dia positivo e espero que a gente consiga ficar na luta aqui nesta pista.
Eu acho que amanhã Red Bull e Ferrari são as equipes que podem estar mais competitivas. E que podem estar na luta com a gente. Mas tomara que a gente consiga ficar na frente. Quanto à McLaren, pode ser. Mas é difícil entender a sexta-feira. Temos de esperar e ver.
A gente sempre tem uma tradição de usar a sexta-feira para entender o balanço do carro, pensando em entender o equilíbrio para a corrida. E desde a primeira corrida tem sido assim. Mas eu estou bastante confiante de que a gente pode melhorar amanhã e estar mais competitivo”

Roberto Merhi: “Foi sim uma grande experiência. Pilotar um carro de F1 pela primeira vez é muito incrível, especialmente em uma pista rápida. Depois, eu pude usar toda a força e foi rápido, muito bom de andar.
Realmente, gostei muito disso tudo. Mas, para ser honesto, eu comecei bem cauteloso, por causa dos pneus e dos freios.
Eu não estava dando 100%, já que era importante não cometer um erro e também aprender o máximo possível com o carro. Freando e em alta velocidade, você não pode forçar, já que você não sabe como o carro vai se comportar, mas o importante era fazer voltas e aprender como funciona."
Resultado dos dois treinos livres para o Grande Prêmio da Itália - 13ª Etapa

Treino Livre 1:
1Nico RosbergMercedes1m26.225s- 41
2Lewis HamiltonMercedes1m26.286s- 0.061s 16
3Kimi RaikkonenFerrari1m26.331s- 0.106s 31
4Fernando AlonsoFerrari1m26.565s- 0.340s 26
5Valtteri BottasWilliams/Mercedes1m26.758s- 0.533s 34
6Jenson ButtonMcLaren/Mercedes1m26.762s- 0.537s 34
7Sebastian VettelRed Bull/Renault1m26.762s- 0.537s 27
8Kevin MagnussenMcLaren/Mercedes1m26.881s- 0.656s 44
9Felipe MassaWilliams/Mercedes1m26.935s- 0.710s 33
10Daniel RicciardoRed Bull/Renault1m26.992s- 0.767s 37
11Sergio PerezForce India/Mercedes1m27.079s- 0.854s 42
12Nico HulkenbergForce India/Mercedes1m27.227s- 1.002s 39
13Daniil KvyatToro Rosso/Renault1m27.476s- 1.251s 37
14Esteban GutierrezSauber/Ferrari1m27.840s- 1.615s 33
15Jean-Eric VergneToro Rosso/Renault1m27.929s- 1.704s 33
16Adrian SutilSauber/Ferrari1m28.029s- 1.804s 35
17Jules BianchiMarussia/Ferrari1m28.659s- 2.434s 34
18Pastor MaldonadoLotus/Renault1m28.700s- 2.475s 42
19Max ChiltonMarussia/Ferrari1m28.786s- 2.561s 29
20Romain GrosjeanLotus/Renault1m29.085s- 2.860s 29
21Kamui KobayashiCaterham/Renault1m29.178s- 2.953s 32
22Marcus EricssonCaterham/Renault1m29.275s- 3.050s 37

Treino Livre 2:
1Lewis HamiltonMercedes1m26.187s- 25
2Jenson ButtonMcLaren/Mercedes1m26.810s 0.623s 27
3Nico RosbergMercedes1m26.995s 0.808s 26
4Fernando AlonsoFerrari1m27.169s 0.982s 23
5Kevin MagnussenMcLaren/Mercedes1m27.228s 1.041s 30
6Sebastian VettelRed Bull/Renault1m27.271s 1.084s 27
7Kimi RaikkonenFerrari1m27.493s 1.306s 27
8Sergio PerezForce India/Mercedes1m27.687s 1.500s 13
9Daniil KvyatToro Rosso/Renault1m27.741s 1.554s 33
10Nico HulkenbergForce India/Mercedes1m28.112s 1.925s 23
11Esteban GutierrezSauber/Ferrari1m28.114s 1.927s 21
12Valtteri BottasWilliams/Mercedes1m28.148s 1.961s 20
13Felipe MassaWilliams/Mercedes1m28.150s 1.963s 21
14Jean-Eric VergneToro Rosso/Renault1m28.300s 2.113s 30
15Giedo van der GardeSauber/Ferrari1m28.429s 2.242s 19
16Daniel RicciardoRed Bull/Renault1m28.487s 2.300s 12
17Daniel JuncadellaForce India/Mercedes1m29.192s 3.005s 10
18Pastor MaldonadoLotus/Renault1m29.512s 3.325s 24
19Max ChiltonMarussia/Ferrari1m30.017s 3.830s 25
20Jules BianchiMarussia/Ferrari1m30.081s 3.894s 27
21Charles PicLotus/Renault1m30.125s 3.938s 23
22Roberto MerhiCaterham/Renault1m30.704s 4.517s 29
23Marcus EricssonCaterham/Renault1m30.948s 4.761s 16

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Foto 390: Bancada

Fangio (#18) e Moss (#16) conduzindo as jóias da Mercedes, os W196 em sua versão para pistas velozes, numa das bancadas do lendário oval de Monza durante o GP da Itália de 1955.
Estes carros, que foram utilizados apenas por Fangio e Moss nesta etapa - Piero Taruffi e Karl Kling utilizaram a carroceria com rodas descobertas -, apresentaram problemas durante os treinos ao levantar a dianteira. O problema foi solucionado com a criação de apêndices que forçavam a dianteira contra o solo, mesmo quando estivesse em alta velocidade.
A corrida foi um duelo a parte entre Fangio e Moss, até que o inglês abandonasse na volta 27 por problemas no motor.
Fangio venceu, seguido por Taruffi e Eugenio Castellotti com a Ferrari.
Aquela ocasião marcou a última corrida da Mercedes na F1.