segunda-feira, 6 de julho de 2015

Vídeo: Duas belas largadas

Quando vi a largada de Massa, lembrei imediatamente de uma que foi feita por Gilles Villeneuve no GP do Brasil de 1980.
Claro, guardada devidas proporções de época e dirigibilidade dos carros, mas foram duas ótimas largadas.
Abaixo, as largadas seguidas pelos melhores momentos de ambas as provas.

GP da Grã-Bretanha 2015

Essa é a segunda vez que uso um canal de áudio para colocar a minha opinião sobre um evento. A primeira e única, até então, tinha sido no treino de classificação para o GP da Espanha de 2014.
Portanto, desculpem por alguma baboseira que eu tenha falado no áudio.
Espero que gostem!

domingo, 21 de junho de 2015

Crash: Kimi Raikkonen e Fernando Alonso, Red Bull Ring 2015

E neste vídeo amador, fica claro a perda de controle de Raikkonen praticamente em linha reta e o azar (mais um) de Alonso, ao tentar passar o finlandês no local onde acabou por ser acertado.
A imagem é impressionante e ainda bem que os danos foram apenas materiais para os dois decanos da categoria.

GP da Áustria: Fazendo apenas o básico

(Foto: Autosport)
Nico Rosberg é um cara subestimado. A sua pilotagem não é tão vistosa como de outros pilotos top, sempre deixa as pessoas a duvidar se ele é capaz, ou não, de conseguir o sucesso com mais freqüência. Talvez não se lembrem de suas ótimas provas, principalmente aquelas onde ele soube aproveitar-se bem dos problemas enfrentados por Lewis Hamilton, para cravar uma vitória e colecionar os pontos que eram importantes para o andamento do mundial. A temporada de 2014 ficou muito marcada mais pelos seus erros nas provas finais – e o incidente com Lewis na Bélgica – do que pela sua velocidade que é, talvez, o seu único trunfo e isso ficou claro principalmente nas classificações da temporada passada. Mas como vale é o resultado final, a última impressão é a que ficou.
Este ano tem sido crítico para Rosberg tentar algo nas classificações. Nas voltas em que ele tenta superar Hamilton, sempre acontece um erro para atrapalhá-lo. Descontando em Barcelona, onde ele foi soberano, cometeu erros em Monte Carlo, Montreal e agora no Red Bull Ring, quando passou reto na última curva quando estava prestes a tomar a pole de Lewis. O carro ficou parado na brita e o piloto alemão voltou a pé para os boxes.
Se beneficiando de uma largada bem melhor que Hamilton, Nico conseguiu repetir o que fizera brilhantemente em Barcelona: cravou voltas extremamente melhores que o seu companheiro e apenas passou a administrar a vantagem para Lewis, sem nunca receber ameaça. Relaxou um pouco na parte final da corrida ao deixá-lo chegar mais perto, mas com a punição de cinco segundos que seria acrescida ao tempo de Hamilton, devido a queima da faixa branca na saída do box, Rosberg estava mais relaxado do que nunca para se dar esse luxo. O reconhecimento do bom trabalho dele por Lewis, só mostra o quanto ele estava acima dos demais nesse fim de semana.
Nico Rosberg tem a estirpe de um Damon Hill: não é brilhante, mas é veloz. Faz o básico e isso acaba gerando um pouco a implicância dos que não vêem nele um piloto sem aquela aura de campeão do mundo. Mas assim como Hill, faz o “feijão com arroz” para manter-se vivo entre os demais e com o carro que tem, ainda pode guardar as suas reservas para tentar algo mais ousado.
Apesar de não ter apresentado uma pilotagem que arrancasse aplausos unânimes talvez um dia essa oportunidade chegue, mas por enquanto ele vai fazendo o básico para continuar na luta pelo seu primeiro título mundial. Se vai conquistar, é outra história, mas já é bastante para um cara que muitos acreditavam que nem iria fazer frente a Lewis neste ano. E tem conseguido.

Sobre a corrida


Foi uma boa corrida até. É claro que sempre se espera um pouco mais de ação, mas com toda a preocupação em torno da economia de combustível, as primeiras voltas sempre se tornam mais amarradas por conta disso. Mas não foi o que Rosberg fez parecer ao conseguir uma largada bem melhor que Hamilton e sumir na frente, cravando tempos de volta bem superiores que qualquer e se tomando uma boa distância de seu companheiro. Com poucas voltas, o duo da Mercedes possuía toda a reta dos boxes de vantagem sobre Sebastian Vettel. Impossível não dizer o tamanho da lavada que mais uma vez eles deram na concorrência, mas a impressão é que por mais que a Ferrari melhore seu carro e motor, os alemães têm uma (boa) reserva para tirar. Mas isso é apenas quando é preciso, como foi o caso de hoje: é como se tivessem deixado a Ferrari se divertir nos treinos livres, e tomando o brinquedo da mão deles no domingo.
Sebastian Vettel estava se encaminhando bem para mais um pódio, mas o erro no pit stop, quando um mecânico não conseguiu encaixar rapidamente o pneu traseiro direito, o fez perder a terceira colocação para Felipe Massa. A caça implacável de Vettel sobre o brasileiro nas voltas finais foi um dos melhores momentos do ano, mas Felipe estava num bom dia e conseguia tracionar melhor seu Williams nas saídas de curvas, principalmente naquelas onde davam acesso aos setores para o uso do DRS, e isso dificultava demais a vida de Sebastian que não teve uma chance real de ultrapassagem.
Por falar em duelos, Maldonado teve dois momentos bem tensos na prova onde poderia ter tido um daqueles acidentes cinematográficos, ao quase escapar com seu Lotus após a primeira curva e pouco tempo depois ter feito uma manobra assustadora que fez o seu carro balançar totalmente: estes dois lances foram em momentos que ele procurava ultrapassar Max Verstappen na luta pela sétima colocação. Ele conseguiu exatamente na segunda vez, onde precisou de uma habilidade acima da média para segurar o carro. Na sequência, com o Lotus devidamente alinhado, passou por Max que errara a freada. Apesar da tensão na manobra – e por saber que era Maldonado quem estava na jogada –, as coisas deram certo. Felipe Nasr também teve boa atuação, que tinha sido demonstrada desde os treinos, mas o Sauber não é melhor dos carros e piloto brasileiro acabou ficando em 11ª. Ao menos seus desempenhos têm sido muito bons, até.
Talvez muito inspirado na sua conquista em Le Mans, Hulkenberg fez a sua melhor corrida até aqui nesta temporada ao conseguir um ritmo satisfatório a ponto de andar entre os primeiros por toda a prova, perdendo a posição para Bottas. Apesar a comoção da maioria pós vitória em Le Mans, onde todos aclamavam – e aclamam – para que ele consiga uma equipe de ponta já para o ano que vem, basta lembrar que o trabalho que Hulkenberg precisa fazer para conquistar tal espaço, precisa ser feito dentro da F1. Lá fora ele demonstrou, sim, que é um dos melhores, mas a vitória não foi apenas dele.
Sobre Kimi Raikkonen e McLaren, as coisas chegam a dar pena, confesso: enquanto que o finlandês teve o seu segundo dissabor, ao ver o carro destracionar praticamente em linha reta e causar um acidente que poderia ter machucado ele e Alonso, a McLaren continua com a nuvem negra acompanhando ela a todo o momento: já não bastassem os problemas nos treinos que jogaram seus dois pilotos para a última fila, ainda teve o acidente que tirou Alonso da corrida logo na primeira volta e o abandono de Button após ele ter pagado o drive through ainda recorrente as posições restantes da punição que levou.
O único sinal que não aparenta ter fim para aqueles lados, é o término da draga que eles se meteram.

  

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Vídeo: Testes de pré-temporada, 1982

Provavelmente este documentário tenha sido algum especial para a TV francesa sobre os preparativos para o Mundial de Fórmula-1 de 1982, que contava com a volta de Niki Lauda pela Mclaren e a possibilidade de uma conquista francesa naquele ano.
Acredito que este vídeo seja mais extenso, mas ao menos é um bom registro de uma época em que a F1 se importava pouco com o luxo e mais com as corridas.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Vídeo: Sobre a 17ª da Porsche em Le Mans

E a Porsche mandando bem mais uma vez. Agora neste vídeo tributo, onde o passado glorioso é lembrado e o presente exaltado.
E que venham mais vitórias. Sempre!

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Foto 526: 45 anos depois...


Duas fotos separadas por 45 anos: na primeira foto, os festejos da conquista de Hans Hermann e Richard Attwood na edição de 1970 das 24 Horas de Le Mans onde a Porsche alcançou pela primeira vez a vitória na geral com o Porsche 917K.
Passados 45 anos, Nico Hulkenberg, Earl Bamber e Nick Tandy, repetiram o feito com o 919 Hybrid após um ano do retorno da Porsche ao endurance na classe principal e 16 anos depois da última conquista da marca em Sarthe.
Coincidentemente estas duas conquistas emblemáticas da Porsche se deram exatamente neste 14 de junho. Comemorações em dobro para a fábrica de Stuttgart. 

83ª 24 Horas de Le Mans: E os donos da casa voltaram

Me recordo de uma frase dita por Tony Kanaan durante uma matéria que foi exibida antes das 500 Milhas de Indianápolis deste ano, onde ele dizia que “que aquela pista tinha vida própria. Ela escolhia quem deveria vencer naquele ano”. De certa forma ele tem razão: quantas foram as vezes que vimos um piloto estar com a vitória garantida no Brickyard e simplesmente por um problema mecânico ou acidente, perdê-la? Foram muitas até. Acho que essas pistas míticas, como é o caso de Indianápolis, costumam pregar essas peças tendo a participação ativa dos “deuses do automobilismo” na escolha de quem deve receber todas às glórias da conquista. A pista de Sarthe, a exemplo de sua “irmã mais velha”, tem esse dom de nos surpreender.
Olhando friamente esta edição, quem poderia apostar algo num trio em que dois deles visitavam a pista francesa pela primeira vez? Certamente as apostas repousavam sobre os mais velhos: o Porsche #18, com aquela fabulosa pole feita por Neel Jani, nos deixava com a dúvida se aquele desempenho ultra veloz poderia repetir-se em algum estágio de um certamente tão longo e cheio de armadilhas que é esta prova; o outro Porsche #17, o vermelho que remete ao legendário 917K de 1970, o primeiro Porsche a vencer na geral em Le Mans, carregava a experiência do ano anterior e um vencedor da prova (Timo Bernhard). Por outro lado, o favoritismo da Audi era forte, principalmente por conta do carro #7 com a trinca atual vencedora (Marcel Fässler/ André Lotterer/ Benoit Tréluyer). Toyota, a atual campeã do mundo apresentava-se abaixo da média e a Nissan... bem, as condições do seu novo protótipo são bem criticas descartando qualquer chance de lutar por algo melhor. Ou seja, a luta dar-se-ia entre as duas fábricas alemãs.
A classificação tinha sido um show a parte por conta da Porsche: simplesmente três carros tomando conta das três primeiras posições, dando a entender que criariam uma “barreira” a qual a Audi e os demais pretendentes deveriam transpor caso quisessem assumir a liderança. A volta de Neel Jani tinha sido mágica: cravando um tempo absurdamente veloz (3’16’’8), a melhor para esta era dos LMP1 em Sarthe e uma das melhores de todos os tempos do traçado, entrando para o top 10 deste quesito. Os outros dois Porsches acompanharam o ritmo e fizeram bons tempos, a ponto de apenas administrarem essas marcas na quinta-feira. Isso deu a Porsche a tranquilidade de trabalhar no ritmo de prova, testando alguns stints para a corrida. A Audi pouco se aproximara, mas a carta na manga para os dois de corrida já estava guardada, que era puramente estratégia baseada nos pneus, cujo trunfo deste R18 e-ttron Quattro é na economia dos
pneus frente a sua co-irmã. E tinha sido isso, aliado a erros de estratégia da Porsche e pilotagem de seus pilotos, que garantiram os dois sucessos para fábrica das quatro argolas nas duas corridas iniciais. Se para uma sobrava a manha de Sarthe, para a outra restava apenas a fabulosa história que tinha sido construída sobre as suas 16 vitórias anteriores. A Porsche tinha que dar uma resposta a si própria: recuperar-se de erros que tinham roubado deles vitórias em Silverstone e Spa, era uma questão de honra e Le Mans é um palco perfeito para este tipo de situação.
A corrida estava a ser um clássico do endurance: enquanto que a Porsche dominava as ações com o #17 e #18, a Audi subia com seu ataque em “bloco”, com o #7, #8 e #9 a atacar o #19 e superá-lo rapidamente. Conforme as horas foram passando, ficava claro que o #17 da Porsche parecia ser o mais tarimbado para guiar a equipe ao triunfo, e essa idéia se reforçou quando a Audi começou a enfrentar seus primeiros problemas: enquanto que o #7 voltava aos boxes alguns giros depois de seu pit-stop para trocar um pneu furado, num momento que estava prestes a assumir a liderança, o #8 acabou acidentando-se na parte de Indianápolis num trecho que deveria estar em bandeira amarela (slow zone) e que os comissários se atrapalharam ao sinalizar com a verde. Com os carros – em boa parte os GTs – desacelerando, Duval passou por uma Ferrari por fora e bateu de frente, danificando totalmente a dianteira. O carro foi levado aos boxes e alguns minutos depois, devolvido à pista, mas com a prova totalmente comprometida.
O período de Safety Car foi importante para que os carros se juntassem e ao dar a relargada, o duelo entre o Porsche #17 e o Audi #9 levantou a torcida nas arquibancadas com uma disputa visceral entre estes dois carros. Para Filipe Albuquerque, no comando do Audi #9, foi um momento brilhante: aproveitando-se bem do vácuo do #17, conseguiu quebrar naquele momento o recorde de melhor volta para aquela pista que já durava 44 anos, e que pertencia à Jackie Oliver. Mais tarde esse recorde voltaria a ser quebrado pelo Audi
#7 com Lotterer ao volante, ao descer dos 3’17”6 de Albuquerque para 3’17”4. Infelizmente problemas mecânicos e outros contratempos tirariam qualquer chance destes dois Audis de vencer: o #9 teve problemas com seu sistema híbrido e viu suas chances caírem por terra; para o #7, a carenagem solta também atrasou bastante o passo deste trio que tentava o seu quarto triunfo em Sarthe. De se elogiar sempre a pilotagem de André Lotterer, que desde um bom tempo tem se mostrado o melhor piloto de endurance do momento. A tocada limpa e precisa, entremeada com velocidade pura e cadenciamento – quando é preciso – tem sido a alma desse trio, sinceramente. O trabalho do trio do Audi #9 também precisa ser elogiado ao máximo, ainda mais Filipe Albuquerque com uma pilotagem muito precisa. Não foi de se estranhar a alta expectativa que foi criada em torno deles neste terceiro carro, especialmente montado para Le Mans, pois o ritmo estava excelente e tinham boas chances de disputar e sair com a vitória.
A Porsche também teve lá os seus problemas: o #17 parecia intocável e num passo firme para abrir caminho em meio aos retardatários e isso foi o que acabou matando as chances deste trio, quando Webber fez uma ultrapassagem em bandeira amarela e teve que pagar um penalty que o jogou um pouco para trás na classificação. Enquanto isso, o #18 enfrentava problemas – aparentemente de freios – que fez o carro escapar duas vezes para fora da pista e deixar as coisas complicadas para aquele trio. A surpresa para a Porsche foi o #19 ter um ritmo excepcional em todas as fases da prova: enquanto que o gêmeo #17 e #18 travava duelos contra os três Audis, este ficava apenas acompanhando de perto sem nunca perder contato com os ponteiros, esperando exatamente a sua vez na corrida. Quando assumiu a liderança ainda na nona hora, eles não largaram mais e entrando numa zona mais fria que é a noite e madrugada, igualaram a batalha com a Audi em consumo de pneus e isso deixou seus pilotos mais à vontade para ditar o ritmo. O trio mandou a bota – especialmente Earl Bamber no meio da madrugada – que deixou o #19 em boa condição de administrar a vantagem e apenas responder quando fosse preciso. Os problemas na carenagem do Audi #7 os deixou ainda mais perto da vitória, principalmente por estarem
levando uma volta de vantagem sobre o #17 e três sobre o #7. Apenas um desastre tiraria essa conquista. Restou apenas a Nico Hulkenberg assumir o comando e guiar o carro de forma imaculada a uma vitória inédita para os três.
Em relação aos japoneses, coube apenas a decepção: a Toyota nem foi sombra do desempenho que fez ano passado ao fechar em sexto e oitavo (#2 e #1) com oito e nove voltas, respectivamente, de desvantagem para o vencedor. Vencer neste ano, somente com um golpe de muita sorte. A Nissan largou com seus três carros e nenhum completou, nesta que foi um dos maiores papelões da história recente da prova. Despejar altas doses de dinheiro e não desenvolver um protótipo de forma decente para ao menos andar com dignidade próxima as outras fábricas, foi de jogar o nome da Nissan na lama e pisotear.
Para a Rebellion, que estreou seu R-One nesta corrida, foi uma prova mais que tranqüila, pois a ByKolles não ofereceu nenhuma resistência a equipe suíça que venceu entre as particulares na LMP1.

As outras categorias

LMP2

A KCMG dominou amplamente aquela classe, sendo que desde a segunda hora eles assumiram a liderança e não largaram mais. Nicolas Lapierre/ Richard Bradley/ Matthew Howson deram à KCMG a primeira vitória em Le Mans nesta classe e particularmente, para Lapierre, foi a desforra após ter sido dispensado pela Toyota ano passado, tirando dele a chance de ganhar o campeonato junto de Davidson/ Buemi. Ainda tendo visto que o desempenho da Toyota foi bem pífio, o prazer desta sua conquista deve ter sido ainda maior.
A segunda colocação foi da Jota Sport, que enfrentou problemas de câmbio no inicio do certame, conseguiu uma bela recuperação devido, especialmente, a pilotagem de Mitch Evans e Oliver Turvey para abrir caminho na parte final e conseguir o pódio frente ao #26 da G-Drive e o #48 da Murphy Motorsport.
A única equipe que parecia ainda com ritmo para dar combate ao carro da KCMG era o #46 da Thiriet, mas este acabou sendo acertado pelo Aston Martin #99 (com Fernando Rees ao volante) e ficando de fora.

LMGTE-PRO

As disputas nessa classe são sempre o grande atrativo, e neste ano não foi diferente: Ferrari, Corvette e Aston Martin estiveram numa luta brutal pelas primeiras posições e que foram decididas através dos problemas e acidentes que iam tirando os carros de linha.
Para a Corvette acabou sendo uma prova recompensadora após a perca do #63 nos treinos, após o acidente de Jan Magnussen que impossibilitou os reparos no carro. Apesar de um início bem tímido, o trio formado por Oliver Gavin/ Tommy Milner/ Jordan Taylor, foram subindo na classificação aos poucos e os problemas com os rivais mais diretos ajudaram bastante a conseguir uma importante e gratificante vitória para eles e Corvette, que não vencia desde 2011.
A Ferrari perdeu uma corrida que poderia ter sido dela, não fosse os inúmeros problemas que rondaram os #51 e #71 da AF Corse. Enquanto que o #51 se viu envolvido no enrosco do Audi #8 fazendo com que ele fosse ao boxe reparar os danos, voltando bem trás dos seus rivais, o #71 estava em grande forma ao disputar diretamente com a Aston e Corvette a dianteira da prova, mas problemas no motor de arranque atrasaram suas pretensões. Mas a Ferrari tinha ganho um fôlego com o retorno do #51 à disputa e com chances de ameaçar a Corvette, mas problemas com o câmbio forçaram a saída momentânea de Gianmaria Bruni/ Toni Villander/ Giancarlo Fisichella da prova, conseguindo voltar para terminar em terceiro. A segunda posição acabou para a outra Ferrari #71 de Davide Rigon/ James Calado/ Olivier Beretta, numa boa recuperação do trio.
Para a Aston Martin, que estava com ótimas chances de vencer nessa classe, restou apenas a desilusão de ver seus três ficarem de fora por problemas mecânicos - #95 e #97 – e o #99, que estava na disputa direta, ter se acidentado quando Rees estava para ser dobrado pelo #46 da LMP2.
Os Porsches do Team Manthey foram verdadeiros coadjuvantes nesta edição, sem ter lutado pela liderança em momento algum. Enquanto que o #92 foi limado da prova logo no início por uma quebra de motor, o #91 ainda tinha esperanças de beliscar um pódio, mas um vazamento de óleo tirou essa chance deles.

LMGTE-AM

Apesar da forte oposição vindo da Ferrari #72 da SMP Racing, não era de duvidar muito que a vitória não escaparia das mãos do trio Pedro Lamy/ Paul Dalla Lana/ Mathias Lauda. Porém, quando faltavam menos de 50 minutos para o fim, Dalla Lana acabou escapando e batendo forte na curva chicane Ford e tirando a chance de vez de vitória. Coube ao trio do Ferrari #72 – Victor Shaytar/ Andrea Bertolini/ Aleksey Basov vencer a prova.
A segunda colocação ficou com a Dempsey-Proton Racing com seu Porsche #77, guiado por Patrick Dempsey/ Patrick Long/ Marco Seefried, nesta que foi a melhor colocação da equipe em Le Mans.
E a terceira foi da Ferrari #83 da AF Corse com François Perrodo/ Emmanuel Collard/ Rui Águas.

Mais um grande dia para a história de Le Mans

Sem dúvida foi outro grande dia para os inúmeros acontecimentos que já entraram para história dessa grande prova. Um ano após o seu retorno a classe principal, a Porsche nos brindou com uma vitória irretocável de um trio que nem estava entre os favoritos para a conquista dessa corrida. Foi o primeiro carro não diesel a vencer em Sarthe em dez anos.
Por outro lado, ter convivido com a desconfiança da maioria em torno da sua confiabilidade, foi um verdadeiro cala a boca com toda força e competência que é normal de uma equipe alemã. As lágrimas do diretor da Porsche e dos outros integrantes, assim como de Nico Hulkenberg, traduzem e muito todo o trabalho que foi feito até aquele momento. Para a Porsche, um desafio e tanto com este projeto do 919 Hybrid e para os pilotos, uma conquista histórica, particularmente falando.
Enquanto que Nick Tandy era o mais experiente dos três com duas participações em Le Mans, Earl Bamber era um bicampeão da Porsche Super Cup Ásia e assim como Nico Hulkenberg, fazia o seu debut na maior prova de endurance do mundo. As prestações que estes três tiveram a bordo do 919 Hybrid #19 foi de um primor altíssimo: seguraram bem o ritmo no início da prova, ganharam posições conforme os da frente iam tendo problemas e assumiram a liderança no meio da noite para não largar mais, sempre com velocidade pura por parte dos três. Foi um trabalho recompensado com uma inédita conquista para os três: Bamber e Hulkenberg tornaram-se os primeiros pilotos a vencerem as 24 Horas de Le Mans logo na sua estréia – o último tinha sido Aurent Aiello em 1998 com a... Porsche, exatamente na última conquista da marca. E Nico foi o primeiro piloto da F1 em atividade a vencer a prova desde a conquista de Johnny Herbert e Bertrand Gachot na vitória pela Mazda em 1992. Para a Porsche foi a 17ª conquista em Sarthe e no mesmo dia que completa outra data importante para o time de Stuttgart: há 45 anos eles chegavam a primeira vitória no geral em Sarthe, com o 917K de Hans Hermann/ Richard Attwood. Melhor dia para esta conquista, não existe.
A Porsche retoma as chaves de casa e agora é uma forte ameaça ao império conquistado pela Audi nos últimos anos.

Habemus duelo!  

sábado, 13 de junho de 2015

Foto 525: Doze horas depois

E já passamos da metade da prova - faz um tempo já - e a Porsche continua com o seu #19 na liderança da prova, agora conduzido por Earl Bamber. A diferença deles para o segundo, o Audi #9, é de 41 segundos. Mas o carro da Audi deve parar em breve nos boxes e o #7 deve subir, e a sua desvantagem neste momento para o líder é de mais 1 minuto.
Ainda temos um pouco mais de onze horas de corrida, mas aos poucos as coisas começam a se desenhar para um final eletrizante.

Foto 524: Iluminado

E a parte noturna sempre reservando belas imagens, como esta do Ferrari #72 da SMP Racing (Victor Shaytar/ Andrea Bertolini/ Aleksey Basov) que está em segundo na classe LMGTE-AM neste momento, com 22 segundos de atraso para o Aston Martin #98.

Foto 523: Um picolé em forma de Audi R18

(Foto: Twitter/@TobyMoody)
Emanuele Pirro prestes a sorver um picolé de Audi R18...
Sinceramente, bem que poderiam vender dessas forminhas. Ia fazer um sucesso!