quinta-feira, 23 de junho de 2016

84ª 24 Horas de Le Mans: A pior da Audi, em 17 anos

Não foi uma grande jornada esta da Audi em Sarthe. Havia, de antemão, uma situação bem complicada para a fábrica multi campeão de Le Mans pelo fato de correrem sem o terceiro carro, como bem acenou Dr. Wolfgang Ulrich quando questionado sobre isso. Mas havia um motivo pelo qual essa preocupação: sabia-se que os carros alemães tinham sofrido problemas nas provas anteriores e isso já ascendia o sinal amarelo por aquelas bandas. Isso não era de sua exclusividade, uma vez que Porsche e Toyota também tinham passado por isso, e cuidar para que estes problemas não interferissem, era a chave para tentar mais uma conquista em Sarthe.
O problema é que estes temores começaram cedo demais, ainda na quarta, quando o R18 #8 teve um problema elétrico que o limitou bastante para o restante do treino livre - onde havia desafiado e muito bem a Porsche, tanto que terminou em terceiro naquela prática - e que depois prejudicaria demais nos treinos classificatórios. Por mais que o carro #8 tenha conseguido um quinto lugar no grid, ultrapassando inclusive o #7, sua velocidade não era a mesma de logo cedo e que foi aumentando gradativamente. Os outros dois treinos classificatorios, que seriam uma boa oportunidade de avaliação do dois carros,foram realizados com chuva e isso complicou bastante o cronograma. Mas ainda foi suficiente para que percebessem que o #8 tinha problemas de freio e que o #7 teve um vazamento de combustível. As coisas não iam bem, de fato.
Apesar de um bom início do #8, conseguindo atacar até mesmo as Porsches na luta pela primeira posição,#7 teve sérios problemas no turbo que precisou ser trocado e só ali perdeu seis voltas ainda na segunda hora de corrida. O quadro pioraria ainda mais no decorrer das horas, quando a desvantagem aumentou para 17 voltas. O #8 ainda conseguiu acompanhar os ponteiros, mas nunca sem ter a velocidade suficiente para conseguir um ataque efetivo. O golpe de misericórdia para as já pequenas esperanças do time, veio quando o #8 foi aos boxes e perdeu duas voltas. Ainda que tivesse conseguido recuperar uma volta, as coisas acabariam de vez no momento que foram mais uma vez aos boxes para a troca da suspensão.
As coisas poderiam ter sido mais criticas para a Audi, uma vez que existia a possibilidade da marca ficar de fora do pódio pela primeira vez desde a sua estréia nesta prova em 1999. Mas a falha mecânica do Toyota #5 possibilitou que o carro #8 de Lucas Di Grassi/ Oliver Jarvis/ Löic Duval subissem ao terceiro lugar.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

84ª 24 Horas de Le Mans: A (inesperada) 18ª da Porsche

Até certo momento, para ser mais preciso até a última volta, era quase unânime que a Porsche teria que adiar a sua 18ª conquista em Sarthe por mais um ano. A Toyota estava formidável: não tinha aquela velocidade alucinante de dois anos atrás, mas a desse ano era suficientemente o bastante para confrontar a Porsche. E estava dando certo: Por mais que a fábrica alemã tivesse respondido bem durante a madrugada, a fábrica japonesa respondia a altura. Aliás, isso tinha sido a tônica por quase toda a prova e até aquele final, com mais de 1minuto e trinta de desvantagem, era compreensível que jogassem a toalha. Até que o imponderável apareceu e resolveu o assunto quando Nakajima, a bordo do TS050 #5, passou a gritar no rádio sobre a perda de potência no sistema elétrico de seu carro. E quando parou logo após a linha de chegada, restou apenas ao Porsche 919 Hybrid #2 arrancar para uma conquista histórica.
A Porsche foi impecável em todos os estágios, se contarmos a partir dos treinos livres: se a Audi aparecia como uma potência adversária, a Porsche tratou de confrontar essa possibilidade e com seus co-irmãos aparentemente de fora de uma batalha por causa dos problemas enfrentados desde a quarta, era de esperar que a Toyota fosse a grande rival. E como foi! Os japoneses esconderam bem o jogo desde os testes de quinze dias antes para jogar pesado no dia da corrida e entrar pra valer na disputa. A Porsche precisou mudar o jogo no meio da madrugada para não perder tanto terreno para os nipônicos ao fazerem stints continuos - entre três e quatro - com o mesmo jogo de pneus e apenas abastecendo e trocando os turnos dos pilotos. Isso foi essencial para que pudessem ficar próximos do duo da Toyota. E mesmo que não acreditassem mais numa possível vitória, a grande virada aconteceu quando não havia mais esperança para tal. O rosto dos integrantes da Porsche e a explosão de alegria de Romain Dumas e Marc Lieb mostram bem isso.
Temos de dizer que o Porsche #2 teve a benção de ser o único dos híbridos a não enfrentar nenhum problema crônico, coisa que o seu gêmeo #1 teve e os das Toyota e Audi também enfrentaram. Isso deu a grande chance para que pudessem fazer o grande trabalho que culminou nessa vitória pra lá de inesperada.
Foi a 18ª conquista da Porsche e apesar de seu favoritismo inicial, as coisas foram mudando de figura até chegar naquele desfecho cinematográfico. Mas o melhor de tudo foi vê-los reconhecer reconhecer a força e luta que a Toyota lhes deram nessa edição.
Foi um grande dia em Sarthe.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

84ª 24 Horas de Le Mans: A mais dolorosa para a Toyota

Sem dúvida foi o momento mais crítico da Toyota em sua história na pista francesa. E isso será lembrada por décadas.
(Foto: sportscar 365)
Quando tudo terminou daquela forma tão dramática, procurei lembrar-me da prova de 2014: a Toyota estava insuperável naquela edição! Um TS040 Hybrid gozando da melhor plenitude de seu sistema mecânico e elétrico, trucidou Audi e Porsche sem nenhuma piedade nas duas provas iniciais (6 Horas de Silverstone e 6 Horas de Spa) e isso foi mostrado com intensidade ainda mais forte em Sarthe, quando o #7 estava muito à frente da concorrência numa prova praticamente solitária, sem ter o incômodo das duas fábricas alemãs. Mas então aquele velho azar de outras edições, de quando eles estavam fortes, como em 1994, 1998 e 1999, resolveu dar as caras e fez com que o fabuloso TS040 #7 desaparecesse no meio da noite como um passe de mágica. As explicações vieram mais tarde, que um problema elétrico, proveniente de uma peça que custava o troco de uma bala, tinha sido o causador de tal desaire. Talvez o maior azar da Toyota nem tenha sido com este, mas com o outro carro, o #8: este havia se envolvido num acidente ainda nas primeiras horas, quando a chuva desabou. Conseguiu voltar para os boxes, após longo tempo para os reparos, e quando retornou deu tudo de si e conseguiu recuperar-se tremendamente bem, ao descontar cinco das oito voltas perdidas nesta parada forçada e ainda salvou um terceiro lugar, mostrando o quanto que aquela geração do TS040 Hybrid era tão sensacional.

Aquele filme de 2014 repetiu-se quase que da mesma forma: inicialmente, temos que reconhecer que a Toyota fez uma corrida brilhante a ponto de manter seus dois carros em pista sem grandes problemas, o que abria para eles uma oportunidade única. Ter visto os graves problemas enfrentados pelos dois Audis – especialmente o #7 – e também o #1 da Porsche – que foi o mais afetado dessa horda de carros híbridos, talvez tenha enchido os japoneses de confiança e também de cautela, uma vez que ainda tinha muito chão pela frente até chegar as 15:00 do domingo. Mas a estratégia em deixar os dois carros próximos um do outro, foi muito boa: caso algum tivesse problema, outro estaria pronto para assumir o posto. Foi assim durante boa parte da prova: enquanto o TS050 #6 ia para os boxes, ora o Porsche 919 Hybrid assumia a ponta ou o #5 da Toyota. Um desempenho sólido que levou boa parte daqueles que acompanhavam acreditar que a Toyota estava bem encaminhada naquela condição. Manter uma diferença de 10 segundos ou mais, conseguindo ampliar até um pouco mais de 1 minuto, dava a real sensação que tudo estava sob controle. Até mesmo o erro de Kamui Kobayashi, que estava no #6 e que teve de ir aos boxes fazer reparos, perdendo assim três voltas, não parece ter abalado tanto a confiança dos japoneses. A coisa parecia tão próxima da Toyota se tornar a segunda fábrica japonesa a ganhar em Sarthe, no exato ano em que se completa 25 anos da conquista da Mazda, que até mesmo a Porsche havia entregado os pontos naquelas voltas finais devido a grande desvantagem deles para o #5 que estava acima de 1 minuto. Mas ver o TS050 Hybrid #5 encostar-se à reta de chegada na abertura da última volta, acabou sendo o presente mais inesperado para a Porsche em sua longa história em Sarthe. O choro dos integrantes da Toyota com a perca de uma vitória que já estava quase que fechada, foi o triste resumo de algo que eles sabem que não é muito fácil de se conquistar e que já estiveram próximos de tal situação em outras oportunidades. Mas de longe, muito longe, essa é a mais sentida não apenas por eles, mas também por aqueles deixaram até mesmo de torcer pelo seu time de coração para dedicar aos japas toda uma torcida.
Mas quem sabe em outra oportunidade as coisas não revertam à seu favor. Se Le Mans escolhe de fato seus vencedores, quem sabe eles é que não sejam os escolhidos da próxima oportunidade. 

domingo, 19 de junho de 2016

84a 24 Horas de Le Mans: Final

"Carreras são Carreras", como já dizia o mestre Juan Manuel Fangio. Quando pensávamos que a Toyota chegaria a sua tão sonhada vitória em Sarthe, o motor do protótipo japonês perdeu rendimento e parou na reta principal quando faltava mísera uma volta para o fim. E ali acabava o sonho da fábrica japonesa em igualar a sua conterrânea Mazda, que conquistara Le Mans 25 anos atrás. Coube apenas a Porsche #2, que não teve nenhum problema, passar e vencer a 19a para a fábrica alemã com Marc Lieb/ Romain Dumas/ Neel Jani ao volante.

84a 24 Horas de Le Mans: 22a Hora

Não tivemos nenhuma mudança significativa nesta penúltima hora em Sarthe. Mas podemos dizer que agora é o momento do tudo ou nada para a Porsche tentar alcançar o #6 da Toyota e uma hora para os japoneses chegarem a sua histórica conquista em Sarthe.

84a 24 Horas de Le Mans: 18a, 19a, 20a e 21a Horas

Nestas últimas horas, exatamente a 18a, 19a, 20a e 21a, o panorama na LMP1 modificou de forma considerável: se tínhamos no Toyota #6 o grande favorito da casa japonesa para essa possível conquista em Le Mans, o sonho começou a ruir quando Kamui Kobayashi errou em um dos estágios e o carro foi recolhido para os boxes, perdendo assim 3 voltas e praticamente dando adeus a possível conquista. Agora a luta se resume ao Toyota #5, que lidera, e o Porsche #2 que está um pouco mais de 30 segundos atrás do ponteiro. Para a Audi o calvário continuou com o #7 que perdeu mais algumas voltas - contabilizando agora 17 de atraso - e o #8 que teve problemas no eixo e perdeu um bom tempo nos boxes voltando ainda em quarto, mas 14 voltas atrás.
Na LMP2, a liderança continua forte com a Signatech #36 seguido pelo #26 da G-Drive e pelo #37 da SMP.
Na LMGTE-PRO a Ford assumiu o posto principal com o #68, mas a Ferrari #82 da Risi não está muito longe assim como o outro Ford GT #69. Os três estão na mesma volta.
Pela categoria AM o Ferrari #62 da Scuderia Corsa é o líder, com o Porsche #88 da Abu-Dhabi/Proton em segundo e o Ferrari  #83 da AF Corse em terceiro.
Agora falta menos de uma hora e meia para o fim.

84a 24 Horas de Le Mans: 17a Hora

Esta 17a hora foi, talvez, a mais movimentada até aqui. Enquanto que a LMP1 continua com a luta intensa entre o duo da Toyota e o solitário Porsche #2, outros carros acabaram dando uma movimentada numa prova que era tranquila até então: o carro da By Kolles teve um principio de incêndio, o que ocasionou a entrada do SC; antes disso, o Alpine #35 da Baxi acabou batendo e o #46 da Thiriet, então terceiro na LMP2, acabou encalhado na caixa de brita.
Na P1, liderança para a Porsche #2 com o Toyota #6 em segundo e o #5 em terceiro.
Na P2, a liderança liderança do #36 da Signatech - que até foi aos boxes para trocar pastilhas e disco de freio afim de evitar algo semelhante do que acontecera com o #35. Em segundo vem o #26 da G-Drive e em terceiro o #37 da SMP.
Na LMGTE-PRO, a Risi continua na liderança com seu Ferrari #82. Em segundo e terceiro vem os Ford GT #68 e #69.
Na LMGTE-AM a Scuderia Corsa é a líder com a sua Ferrari #62, com o Porsche #88 da Abu-Dhabi/Proton e em terceiro a Ferrari #83 da AF Corse.

84a 24 Horas de Le Mans: 16a Hora

A Porsche, através do seu #2, tratou de colocar Dumas pra baixar a bota ir à caça do Toyota #6. E surtiu efeito: ele está a 4 segundos do carro japonês. Na terceira colocação aparece o Toyota #5.
Na P2 nenhuma mudança: a liderança continua com o #36 da Signatech, com o #46 da Thiriet em segundo e o #26 da G-Drive em terceiro.
Na LMGTE-PRO a Ferrari #82 da Risi está na liderança. Em segundo aparecem os Ford GT #68 e #69.
Na LMGTE-AM a Scuderia Corsa se mantém em primeiro com a sua Ferrari #62, em segundo o Porsche #88 da Abu-Dhabi/Proton em segundo e a Ferrari #83 da AF Corse em terceiro.
No momento a prova se encontra com bandeiras amarelas na curva Dunlop, onde Tommy Milner acabou espatifando o Corvette #64 que estava em quinto na Pro.

84ª 24 Horas de Le Mans: 15ª Hora

Temos a chance de um belo duelo entre os três primeiros em Sarthe: por mais que a Toyota esteja muito bem até aqui, Marc Lieb tem feito um trabalho muito bom neste stint a bordo do Porsche #2 e já está 14 segundos do líder #6. Qualquer vacilo -ou problema - por uma dessa partes pelas próximas horas, pode estar se definindo o vencedor desta 24 Horas.
Na LMP2 a Signatech segue imaculada na primeira posição com seu #36 com mais de dois minutos de vantagem sobre o #46 da Thiriet. Em terceiro aparece o #26 da G-Drive, duas voltas atrás do Alpine da Signatech.
Na LMGTE-PRO o #82 da Risi segue liderando, agora com um conforto de mais de um minuto sobre o Ford GT #68 e terceiro aparece o outro Ford GT #69.
Na LMGTE-AM a Scuderia Corsa com o Ferrari #62 segue líder, com o Porsche #88 da Abu-Dhabi/Proton em segundo e o Ferrari #83 da AF Corse em terceiro.

84ª 24 Horas de Le Mans: 14ª Hora

O Porsche #2 teve um pequeno furo em um dos pneus, mas nada de alarmante, uma vez que conseguiu chegar aos boxes e trocar os pneus. Porém, despencou para terceiro quase uma volta atrás do líder Toyota #6 e do #5. A Rebellion não teve grande sorte nesta hora: o #13 ficou parado na Mulsanne e teve o carro recolhido para detrás do guard-rail e #12 parou quase que no mesmo local após rodar, mas conseguiu prosseguir e chegar aos boxes onde foi recolhido para a garagem.
Na P2 a Signatech com seu #36 continua firme na liderança, com o #46 da Thiriet em segundo e o #26 da G-Drive em terceiro.
Na LMGTE-PRO, a Ferrari #82 da Risi continua na liderança. A Ford recolheu o #69 para os boxes para troca das pastilhas e discos de freios e com isso o carro caiu para quarto. Em segundo aparece o outro Ford #68 e em terceiro o Aston Martin #95.
Na LMGTE-AM, liderança com a Ferrari #62 da Scuderia Corsa. Em segundo o Porsche #88 da Abu Dhabi/Proton e em terceiro a Ferrari #61 da Clearwater Racing.

sábado, 18 de junho de 2016

84ª 24 Horas de Le Mans: 13ª Hora

A Toyota perdeu brevemente a liderança para a Porsche quando o seu #6 teve que ir aos boxes para uma parada rotineira, e recuperou a ponta quando o #2 da fábrica alemã foi para o seu pit. No momento os japoneses lideram com o #6, Porsche em segundo com o #2 e o outro Toyota #5 em terceiro.
Na P2 a liderança ainda pertence ao Alpine #36 da Signatech, seguido pelo #46 da Thiriet e pelo #26 da G-Drive.
Na LMGTE-PRO a Risi se mantém a frente com sua Ferrari #82 e com o duo dos Ford GT em seguida, #69 e #68.
Na LMGTE-AM, a Abu-Dhabi/Proton enfim despencou para a segunda posição com seu Porsche #88 ao ser suplantada pela Ferrari #62 da Scuderia Corsa, que vinha em seu encalço já há algum tempo. A terceira posição é da Ferrari da Clearwater Racing #61.